POR QUE SÓ O SENHOR É DEUS?


O meu nome, Eliel uma expressão hebraica, significa Deus é Deus. Numa transliteração quer dizer aquele cujo Deus é o Único Senhor. Após pensar sobre a fé cristã e como melhor significar no cristianismo a expressão Único Senhor, cheguei a algumas idéias.

Para nós os cristãos a leitura inicial do Gênesis deveria se desvencilhar dos detalhes poderosos do ato criador. A maneira como a Bíblia descreve Deus chamando à existência algo sem ter necessidade alguma, não enfatiza este poder do tipo estóico que tanto cultivamos.

Uma divindade com poderes extraordinários que ordena e exigentemente cria é comum a todas as expressões religiosas. Todas as divindades são reconhecidas como poderosas. Nosso esforço em apresentar o Senhor como o Deus dos deuses, ou como o mais poderoso o diminui. Este procedimento apenas classifica-o como mais um entre muitos. Isto não o revela como o Único Senhor, mas como possuidor de maior força.

A consciência da santidade de Deus deve nos levar a enfatizar Deus como plenamente melhor do que qualquer concepção de divindade que se saiba. Por isso, ao lermos os relatos iniciais deveríamos nos lembrar que a expressão Céus e Terra não separam dois ambientes, um espiritual e outro material, mas nos informa que Deus se insere em sua própria obra. Deveríamos ainda nos deter com mais paixão na imagem do Deus que busca a criatura.

Uma divindade que cria um lugar para si e o entrega à própria criação. Mesmo a criatura sendo limitada, afetuosamente a procura. Não desiste e nem a abandona, antes cada vez mais se insere na criação até as últimas conseqüências.

– “Adão, onde estás?”, deveria pulsar no coração da mensagem cristã.

Assim, a revelação cristã anuncia um Deus que para o encontro com o humano se arma de poderes que buscam e salvam independente de sua própria necessidade. O poder capaz de buscar com integridade é o amor. A forma do amor salvar é mediante a graça. E a graça se experimenta na fragilidade.

Para o cristão, Deus ser poderoso o suficiente para criar e reinar não deveria impressioná-lo tanto quanto o fato de ser poderoso o suficiente para conceder graça.

(e Deus é poderoso para fazer que lhes seja acrescentada toda a graça- 2 Co 9:8).

Todos sabem que qualquer divindade precisa ser poderosa; disto ninguém duvida. Sendo assim, a questão que melhor distinguiria uma divindade da outra é quanto ao uso do poder próprio.

Como para se aproximar de Deus é pela fé, resta crer se Ele usa o seu poder porque é Deus ou podemos confiar que mesmo sendo Deus Ele não considera isto como algo a se apegar?

(que, embora sendo Deus, não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se - Fp 2:6).

Devemos crer que Ele é Único por ser Deus, ou por ser Fiel?

A fé cristã desafia toda forma de poder para que demonstre se é capaz de amar, ser graciosa, permanecer sempre fiel e pasmem, se aperfeiçoar na fraqueza, tal qual demonstrada em Jesus de Nazaré.
(... minha graça é suficiente para você, pois o meu poder se aperfeiçoa na fraqueza- 2 Co 12:9)

Comentários

  1. Gisele8:15 PM

    Pastor Eliel,todos os dias escuto o programa Reflexão.Tudo é muito edificante.Sua forma de apresentar junto com o Pastor Ricardo.Os hinos
    verdadeiras poesias para alimentar nossa "alma".E concordo que a graça de Deus é um favor tão grande e profundo que ninguém jamais poderá
    explicá-la...
    E realmente é verdade!O poder de Deus é aperfeiçoado nas nossas fraquezas.

    ResponderExcluir
  2. Puxa... como é bom fazer uma releitura de uma visão tão consagrada no meio cristão. É como encontrar dinheiro em bolso de camisa guardada há muito tempo.
    Sem dúvida, abandonar Sua glória por amor ao homem, ter encontros diários ao entardecer para um bate-papo ou mesmo procurá-lo são atos típicos de um Pai amoroso. Diante disso, toda a criação vira coadjuvante!
    Belo texto, pastor. Parabéns!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não passe por aqui sem deixar seu registro. Ele sempre é benvindo e importante.

Postagens mais visitadas deste blog

Meu desencanto com a fé cristã!

Uma proposta para Igrejas.