Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2011

OS PARABÉNS DE UM MARIDO FELIZ!

Imagem
Aprendi que a vida é bonita, não porque as coisas dão certo, erros não acontecem, lágrimas não sejam derramadas ou angústias não nos alcancem. Quando experimentei o toque de quem me amava, experimentei o divino, um tempo sagrado, belo e libertador.  Senti o amor banhar-me, o carinho me envolver e aprendi o que é amar.  Desejei viver!  Descobri que viver é alçar voos libertadores para fora das gaiolas que empobrecem a vida.  Quero todos os dias aprender a voar!  Sonho antigo, desde os primórdios dos meus antepassados. Mas esta experiência se dá com amantes. Conheci e conheço muitas pessoas e dentre todas elas, se tivesse que escolher uma que melhor pudesse me ensinar a viver, a me descobrir, a ser eu mesmo, a explorar o melhor de mim, a manifestar a vida com a garra de um herói, eu sei muito bem quem seria. Aquela que já gastou mais da metade de sua vida acreditando em mim, confiando em meus devaneios, apostando na beleza escondida em meu interior. Esta não poderia ser outra pessoa

VOCAÇÃO OU PROFISSÃO?

Imagem
A história nos encaminhou a dividir nossa vida.  Para facilitar o manejo com algo tão complexo como o viver, dividimos. Tudo foi dividido: religião e estado, ciência e religião, clero e leigos. Você já percebeu como o estado está separado da nação? “ O governo está devendo bilhões”, é a afirmação que mais ouvimos.  Podemos perguntar: - quem está devendo? Nós não conseguimos pensar unificado, antes nos enchemos de vidas: vida familiar, vida conjugal, vida financeira, vida profissional, vida sentimental, vida íntima, vida religiosa. É como se tudo isto fosse algo à parte de nós mesmos. - Estou bem, mas a minha vida íntima; ou familiar... O grande problema em dividir nossa vida está no fato de que estas vidas todas requerem uma vida inteira de investimento; de dedicação, isto é, todas elas precisam ser vividas. Neste conceito, ao invés de facilitar, a coisa está complicando, pois antes eu tinha apenas uma vida para viver e agora, eu tenho várias. Elas, todas elas,