Entre desejos e realizações para o Ano Novo


A passagem de ano nos dá a sensação de posse.
Aquela que nos informa que temos a oportunidade de recomeçar. Refazer o que não foi efetivado, o que deixamos de fazer ou os planos frustrados. Nesta época abrimos na consciência a possibilidade de que tudo pode ser revisto na perspectiva de se tentar novamente.

Ainda bem que temos esta experiência de passagem de ano.
Penso ser este um ritual mítico. O mito de que o tempo passa.
Começa e termina em fases possibilitando de alguma maneira misteriosa recompor e também o da existência de pausas que possibilitam brecar o tempo e assim contarmos sua passagem.

Também gera a sensação de certo controle. Numa espécie de “bricolagem do tempo” podemos juntar os pedaços e fazer algo mais especial que antes, nos sentimos senhores. Na verdade podemos fazer isto a qualquer hora, em qualquer ponto ou fase de nossas vidas, mas preferimos a passagem de ano.

Infelizmente divididos entre o ser e o fazer corremos o risco de nos iludirmos nesta passagem. Relativizando o poder das ações e superestimando o poder dos desejos e sonhos, desejamos a todos e a nós mesmos sorte e pensamentos positivos apostando que isto influencie o futuro. Mas tudo o que fica apenas nos desejos, morre asfixiado no peito das realizações.

Para este ano quero a consciência da minha fragilidade diante do tempo:

  • O tempo não passa e é por isso que não o paramos. Nós passamos. Nesta passagem somos aprendizes.
  • É inexorável que como aprendizes estamos sujeitos a erros. O mais importante não é tentar evitá-los, mas sim saber como desenvolvemos a história e que tipo de discípulo cada um foi.
  • Vale a pena lutar pelos desejos. Eles dão significado e sentido ao próprio viver e requerem o investimento da própria vida, apesar das incertezas do futuro.
  • A qualquer momento é possível recomeçar.
  • Não precisamos viver inseguros por existir alguém que deseja a nossa queda ou nosso lugar. Sempre existirá alguém mais hábil pronto a assumir. O mais importante é que tipo de marca deixamos enquanto permanecemos.
Mas para este ano também quero a consciência que minha humanidade requer certa dose de inconsciência diante do tempo:
  • Quero saber discernir as saudades que não devem ser matadas.
  • Me iludir com os sonhos que devem permanecer como tal.
  • Me pegar desejando coisas que não serão realizadas, mas servem como molas propulsoras da perseverança.
Enfim, espero ao viver este próximo ano, aprender que ser uma pessoa integrada é mesclar consciência e inconsciência, certezas e dúvidas e que a realidade mistura verdade e ilusão.
Por isso quero ter uma fé madura que é convicta em qualquer situação sobre o amor de Deus, mas quero também a fé infantil que cheia de “porquês” sente medo e por isso vez por outra inocentemente deseja o inusitado.

Se conseguir isto, quem sabe deixarei a vida fluir e conseguirei desfrutar de seu melhor e poderei encerrar o ano dizendo que vivi o melhor de minha vida. É um risco, mas não quero deixar de viver porque insisti em ter o controle sobre o tempo.

Numa metáfora, não quero deixar de tentar segurar água entre os dedos nos lagos existenciais, só por saber que isto não é possível ou por considerar inútil ou infantil. É divertido, deslumbrante e poético. Faz parte da criatividade que inventiva transforma o óbvio em maravilhas. É a vida.

Que Feliz Ano Novo, de fato, seja fato.
Eliel Batista.

Comentários

  1. Paz, Pr. Eliel.

    Uma grande benção que recebi em 2009 foi a oportunidade de começar a acompanhar seu blog.
    Obrigado por nos presentear com textos e reflexões lindas.

    Gostei muito desta frase: "Mas tudo o que fica apenas nos desejos, morre asfixiado no peito das realizações."

    Que possamos, em 2010, sonhar, planejar e realizar. E que acima de tudo estes sejam os sonhos de Deus para nós!

    Um grande abraço e feliz ano novo!
    Vinicius Morais
    -----
    Visite: Refletindo a Graça
    http://refletindoagraca.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Olá Eliel,

    Desejo um ano novo repleto de esperança para você a sua família!!!! Que mesmo no descontrole da história, sejamos pessoas melhores. Abraços. Marcio Uno - marcioruno.wordpress.com

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Não passe por aqui sem deixar seu registro. Ele sempre é benvindo e importante.

Postagens mais visitadas deste blog

Meu desencanto com a fé cristã!

Uma proposta para Igrejas.