Que bom que você veio!

Obrigado pela visita, deixe uma mensagem de sua passagem por aqui.

31.10.06

Deus Me Fez Para Si

No veículo das interpretações teológicas, ponto de vista humano, vou em direção à Deus. Questão existencial. O encontro da identidade.

Despertado pela intuição quis ver a contra-mão deste caminho, ponto de vista divino. Me percebi atraído à Ele pela sua vinda em direção à mim. O encontro do amor.
Nada mais. Sem porquês lógicos e quem sabe "Teo-lógicos".

Deus em seu imensurável amor, não se importa em constranger nossas teologias. Revela-se como um marido que mesmo traído, arde em saudades de sua amada.
Coisas que a Teologia, dirá a Sistemática conseguirá explicar.
Ele é amor! Não pode negar a si mesmo. E como Soberano desejou querer.

Me fazer para Ele como objeto de seu amor é criar um espaço em seu coração para o desejo.
O desejo busca preenchimento. Deus não tem carências e nem precisa de algo!

Satisfeito chamou à existência a falta.
Sentiu-a com tal intensidade que não hesitou em despir-se e vir me buscar.
Seu coração queimava ao querer muito cear comigo.
Se expôs! Frágil exprimiu "saudade" da minha presença, na futura ceia eternal.
Selou este desejo com votos de abstinência e promessa de novamente me buscar.

Só posso dizer que Ele me fez desejável.
Que seu amor se agrada em mim.
Que sente minha falta na mesa, no secreto e no céu!
Não há explicações, mas como se diz sabiamente: "O coração tem razões que a razão duvida".

Eis-me aqui, amante da minha alma. Em rendição e sem as tentações de explicar.

Amar Custa Uma Vida


Nasci em um lar evangélico, tive um encontro pessoal com Cristo na adolescência, sou pastor há dez anos e confesso: Não amo a Deus.

Além de observar no primeiro e grande mandamento a exigência e abrangência de um amor total e irrestrito de meu intelecto, força, sentimento e vontade para com Deus, a minha melhor história de amor me denuncia:

Fui levado ao altar de núpcias pelo amor que declarara sentir por minha mulher.
Diante de Deus, do sacerdote e das testemunhas, em alto e bom som disse as palavras mais expressivas para aquele momento: "- Eu ti amo" e selei o pacto com um suave e doce beijo.

Idas e voltas, atritos e detritos. Após a rebentação dos anos e o impacto do labor diário na convivência, me peguei em flagrante adultério comigo mesmo, pois descobri na prática matrimonial que a pessoa mais amada em meu casamento não era ela, mas era eu mesmo.
O egoísmo tende a pegar carona no amor a si mesmo e dia a dia é uma luta de titãs.
Meus melhores arroubos de paixão durante um bom tempo, visaram acariciar meu auto amor congênito.

Decepcionado com a hipocrisia dos votos, busquei soluções para tão peculiar traição. Precisava aplicar para com minha mulher no mínimo o amor ao próximo que vindica o "como a ti mesmo".
Folheando a Bíblia, ouvindo poetas pensadores e observando a saga humana confirmo: AMAR CUSTA UMA VIDA.

Duas décadas se foram e meu projeto continua. Ainda não gastei minha vida.
Pela maravilhosa mulher que ela é sou capaz de dar minha vida , mas isto só será provado na consumação do ato: AMAR CUSTA UMA VIDA.
Portanto, no futuro quando estiver velhinho, segurando a mão daquela que dediquei meus votos na juventude, acredito que poderei dizer-lhe comprovadamente: - "Eu ti amo".

Deus é aquele que prova o seu amor: Cristo morreu. AMAR CUSTA UMA VIDA
Quanto a mim, posso dizer que prometo amá-lo, mas não posso provar porque ainda tenho muitos anos de vida pela frente, pelo menos na esperança.
Por enquanto só peço a Deus que tenha um pouco de paciência comigo, pois não o amo ainda, mas prometo a cada dia dedicar-lhe o meu amor até o último suspiro, para na primeira inspiração na eternidade declarar em verdade: EU TI AMO, Ó DEUS!
.